Você está aqui

Uma nova iniciativa para prevenir a malária durante a estação das chuvas

28/06/2021
A quimioprevenção sazonal da malária pode diminuir a incidência da doença entre milhares de crianças menores de 5 anos
Violência e negliglência no remoto nordeste do Sudão do Sul

Igor Barbero/MSF

Todos os anos, no Sudão do Sul, a estação das chuvas traz grandes picos de casos de malária entre julho e novembro, que afetam principalmente crianças menores de cinco anos. Anos de conflito e insegurança mantiveram os cuidados de saúde fora do alcance de muitas pessoas em todo o país. Isso, combinado com atividades inconsistentes de prevenção da malária, tornou a doença a causa de mais de um terço de todas as mortes no Sudão do Sul.

A quimioprevenção sazonal da malária (SMC, na sigla em inglês) é uma intervenção de saúde pública que pode reduzir a incidência da doença entre crianças durante a estação das chuvas. Ela tem sido recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 2012 em países com alta transmissão sazonal da malária.

13.689 crianças receberam tratamento preventivo

Médicos Sem Fronteiras (MSF) realizou a primeira implementação da SMC no Sudão do Sul em 2019 em colaboração com o Ministério da Saúde, após uma vasta experiência com intervenções semelhantes em outros países. Como resultado, os casos simples e graves de malária diminuíram entre crianças menores de cinco anos nas áreas rurais em torno de Yambio, no estado de Equatoria Ocidental, assim como as hospitalizações pela doença.

Ao longo da intervenção de julho a dezembro de 2019, até 13.689 crianças receberam tratamento preventivo mensal contra a malária, e a incidência de malária grave foi reduzida em 77,1 por cento entre as crianças menores de cinco anos no Hospital Estadual de Yambio.

“Crianças menores de cinco anos correm maior risco de complicações e até de morte se forem infectadas com malária”, disse Buai Tut Chol, coordenador médico de apoio de MSF no Sudão do Sul. “As complicações podem incluir anemia e convulsões, ficar inconsciente ou incapaz de falar ou andar. É aqui que a quimioprevenção sazonal da malária tem um impacto positivo ao reduzir o efeito da doença nas crianças. ”

Este ano, MSF planeja colaborar com o Ministério da Saúde para implementar a SMC em Aweil, no norte do estado de Bahr El Ghazal, com um objetivo semelhante de reduzir casos simples e graves de malária entre crianças menores de cinco anos.

Como funciona a quimioprevenção sazonal da malária?

A SMC envolve a administração de medicamentos contra a malária como a sulfadoxina-pirimetamina e a amodiaquina em três doses (uma vez ao dia por 3 dias) em cada rodada, com intervalo de um mês entre uma rodada e outra, para todas as crianças menores de cinco anos durante a estação das chuvas, quando o risco de transmissão da doença no seu nível máximo.

O envolvimento da comunidade é crucial para o sucesso da campanha, especialmente no início da SMC, já que MSF atua com líderes locais para garantir o maior número possível de crianças envolvidas. Ao mesmo tempo, MSF também combate outras doenças infantis fatais, muitas vezes diagnosticando crianças para desnutrição, doenças diarreicas ou realizando vacinações contra o sarampo.

Em 2019, as equipes de MSF atuaram em áreas rurais que ficam a até 53 quilômetros de Yambio, o que não foi uma tarefa fácil devido à limitada e precária rede rodoviária. No entanto, todos os esforços valeram a pena, como explicou a coordenadora médica de MSF para o Sudão do Sul, Sara Miro: “Foi irritante saber que muitas pessoas estavam perdendo serviços médicos devido à longa distância até a cidade e morrendo de uma doença evitável, como a malária. ”

Em Aweil, MSF irá realizar a segunda campanha de SMC no Sudão do Sul

Após a implementação bem-sucedida em Yambio, a SMC agora faz parte da nova estratégia nacional contra a malária do Sudão do Sul e MSF está se preparando para iniciar sua segunda campanha em parceria com o Ministério da Saúde. A campanha tem como objetivo alcançar até 25.109 crianças com menos de cinco anos, em cinco etapas mensais na cidade de Aweil, no norte do estado de Bahr el Ghazal. Equipes de saúde também irão realizar exames de desnutrição e o teste e tratamento da malária.

Esse esforço visa reduzir o impacto da malária entre as crianças, já que as equipes médicas de MSF atendem a um número extraordinário de crianças com a doença no Hospital Estadual de Aweil todos os anos. De 2016 a 2020, as equipes de MSF no hospital diagnosticaram e trataram quase 40 mil crianças com malária, incluindo mais de 3 mil crianças menores de cinco anos com malária grave.

“Quase todos os anos, devemos expandir a ala pediátrica do Hospital Estadual de Aweil com tendas temporárias para acomodar as centenas de crianças que ficam gravemente doentes com malária durante a estação chuvosa”, disse Jean Stowell, coordenador de projeto de MSF no Sudão do Sul. “A quimioprevenção sazonal da malária é uma maneira pela qual esperamos diminuir esse impacto sobre as crianças e suas famílias, e esperamos que seja ampliada ainda mais. ”

A SMC não é a única intervenção necessária para prevenir a malária no Sudão do Sul. É fundamental que as pessoas recebam mosquiteiros tratados com inseticida e que os centros de saúde recebam quantidades suficientes de testes de diagnóstico rápido e medicamentos contra a malária antes do início da estação chuvosa, bem como a supervisão que precisam para tratar a doença adequadamente nas comunidades. Também são necessários esforços de controle de mosquitos, o que pode ser feito por meio de pulverizações residuais internas, por exemplo.

“As atividades de prevenção da malária devem ser uma prioridade para o apoio internacional no Sudão do Sul, incluindo a quimioprevenção sazonal da doença”, disse Stowell. “Esperamos que outras organizações de saúde adotem essa abordagem e garantam que ela seja ampliada em todo o país."

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar